Aconteceu > Quilombo Montigente apresenta: Valéria - Negras Melodias

Quilombo Montigente apresenta: Valéria - Negras Melodias

16/06/2018

CAPA_EVENTO_QUILOMBOmontigente.jpg

Dia 16 de junho no CCCEV, o coletivo Quilombo Montingente apresenta o show Valéria – Negras Melodias.

Neste novo show, com um repertório composto exclusivamente por canções de negras, ela vai celebrar, juntamente com o projeto Quilombo Montigente, a resistência, o empoderamento e a riqueza da ancestralidade africana!

OBS: O belíssimo trabalho fotográfico do artista Joe Nicolay (que assina as fotos de divulgação), estará exposto no hall de entrada do show. A exposição "Lembra-te que
sou púrpura", traz dez obras, originais, com uma palavra bordada em cada uma delas, num trabalho artístico forte e ao mesmo tempo delicado. Todas as obras expostas podem ser adquiridas e também autografadas.

Data: 16 de junho

Horário: 20h - 22h

Ingressos:
R$ 15,00 - com desconto* (somente nos pontos de vendas físicos - mediante comprovante).
R$ 20,00 - antecipados.
R$ 25,00 - no dia, na bilheteria do teatro.**
*Estudantes e maiores de 65 anos.
**A bilheteria abrirá uma hora antes do início do espetáculo.
Faixa etária: 18 anos.

Pontos de Vendas Físicos:
Venezianos Pub Café
R. Joaquim Nabuco, 397
Estética Cristal
Rua Ramiro Barcelos, 1805
On line: - sympla.com.br - Negras Melodias
https://www.sympla.com.br/negras-melodias---resistencia-emponderamento-e-celebracao__291140


Sobre o Projeto Quilombo Montigente:

A ação Quilombo Montigente foi criada pelo Coletivo Montigente e tem como objetivo apresentar todo mês um espetáculo protagonizado por artistas negros no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural CEEE Erico Veríssimo. O Projeto já esta na sua 3º edição e já teve grande êxito de público nas edições anteriores. Em 2016 foi tema do Programa Nação na TVE-RS e tornou-se um ponto cultural dos artistas negros de Porto Alegre.
Também é objetivo do projeto dar visibilidade aos artistas negros e, com isso, incentivar a participação da população negra nos espetáculos encenados nos teatros centrais da cidade. Visibilidade, cidadania, respeito. É a arte ressaltando valores, sendo instrumento de consciência e valorização.

Sobre Valéria e sua História:

Depois de 20 anos de carreira profissional, de cantar com com ZAZ e também com Johnny Hooker, em 2017, no Auditório Araújo Vianna; fazer a abertura do show de Katy Perry na Arena do Grêmio, neste ano; estrear o seu novo show "Morangotango - Uma declaração de amor", no Teatro Renascença e já estar na agenda do Bourbon Country, em agosto com o show, também inédito, "Outras Válérias", ela nos brinda em junho, no palco do Auditório Barbosa Lessa, do Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo, com o show "Negras Melodias" concebido especialmente para o projeto Quilombo Montigente - 3ª Edição.
A rotina de shows, a experiência da noite, aliadas ao seu talento e ao seu militarismo em prol da diversidade, da visibilidade e do respeito, deu respaldo à cantora. Já fez parcerias em seus shows com Simone Mazzer, Filipe Catto, Maria Gadú, LanLahn, Nanda Costa, Não Recomendados, Patrica Mellodi, Zéu Britto, Cláudio Lins, Lucio Mauro Filho e Silvero Pereira, entre tantos outros.
Novos parceiros, novas canções, horizontes diferentes. Em um curto espaço de tempo a cantora gaúcha vem adquirindo seu lugar no cenário musical nacional com apresentações em diversas cidades do país e também no exterior. Valéria já tem seu espaço e agora prova que é muito mais que a cover da cantora Whitney Houston, sendo uma das maiores e melhores intérpretes do sul do país encantando com a sua arte e firmando parcerias que nos farão, com certeza, ouvir cada vez mais seu nome e a sua voz.
Valéria nessa nova fase traz consigo orgulho do passado e o olhar atento e focado nos próximos passos da carreira. Sim, negra, trans, gaúcha, cantando sua realidade, pois em tempos de segregação o que Valéria e sua equipe mais querem é unir todos em uma única voz – a do empoderamento, do amor!
Quem assiste aos seus shows irreverentes e descontraídos consegue perceber a força da artista criada no interior do Rio Grande do Sul, mais precisamente em Santo Ângelo, que agora já é do mundo.